[]
[Mulheres do Mundo Digital]

Quando se fala em tecnologia e mundo digital, associa-se ao tema todo o pacote de benefícios com as melhorias e mudanças trazidas para a sociedade. Quando se fala em polos tecnológicos, o primeiro que vem à mente, sem dúvida, é o Vale do Silício. Reconhecido por suas oportunidades e repleto de companhias, é lotado de homens. Justamente por isso, seu destaque não é muito positivo na mídia, já que existe dificuldade de trabalho para mulheres no local. Isso mostra um reflexo do passado, em que acreditava-se que lugar de mulher era somente nas atividades domésticas. Muitos anos se passaram e a mulher tem mostrado dia após dia que seu lugar é exatamente onde ela quiser! Justamente por isso, as mulheres têm brigado duro nos últimos tempos. Suportaram e suportam preconceitos e machismos para se manterem no ramo da tecnologia. E de quebra, trazer muitas funcionalidades que temos hoje. Algumas tiveram notoriedade tão grande que até mesmo menções honrosas receberam. Vejamos algumas delas:

Condessa de Lovelace

Entre 1842 e 1843, Augusta Ada King, a Condessa de Lovelace, criou notas sobre a máquina analítica de Babbage, que foram republicadas mais de cem anos depois - isso porque não havia o tipo de máquina necessária para realizar a prova em 1843. A máquina foi reconhecida como o primeiro modelo de computador e as anotações da Condessa como o primeiro algoritmo especificamente criado para ser implementado em um computador. Ele também foi o primeiro na história da computação. Como homenagem, a Sociedade Britânica de Computação entrega o prêmio Lovelace para avanços em sistemas de informação.

Mary Kenneth Keller

A Freira Mary Kenneth Keller se formou na Universidade de Washington, nos EUA e é considerada a primeira mulher da História a conseguir um doutorado em Ciências da Computação. Ela dedicou sua vida às ciências da computação, atuava como cientista da computação e também como militante pela inclusão de mulheres no mundo da informática, ajudando a fundar uma associação infantil para o uso de computadores na educação. Com quatro livros em seu nome, todos são referência na área de computação e programação. Keller trabalhou na indústria da informática e acredita-se que ela teve papel fundamental na criação da linguagem de programação BASIC, que foi utilizada por décadas para fins didáticos. Além disso, ela fundou um departamento de Ciências da Computação na Universidade de Clarke, também nos EUA, onde atuou até falecer aos 71 anos, em 1985.

Grace Hopper

Essa mulher tem várias marcas interessantes na história da tecnologia. Foi a primeira mulher a se formar na Universidade de Yale (EUA) com PhD em Matemática e primeira almirante da marinha norte-americana. Além disso, foi uma das pessoas criadoras da linguagem COBOL, uma linguagem de programação para bancos de dados comerciais. Além do COBOL, Hopper também criou linguagens de programação para o UNIVAC, o primeiro computador comercial fabricado nos Estados Unidos. Uma de suas principais frases se tornou não apenas um bastião feminista, mas também o principal mote para as mulheres que lutam por representatividade na indústria da tecnologia: “é mais fácil pedir perdão do que permissão”.

Carol Shaw

Carol Shaw foi a primeira mulher a trabalhar em uma companhia de vídeo game, no caso, Atari. Pouco tempo depois, foi contratada pela Activision. Lá, tinha a função de “engenheira de software para microprocessadores”. Ou seja, significava que ela atuava também nos sistemas do próprio console. Trabalhando com uma máquina com apenas 128 bytes de memória RAM, Carol foi a responsável por criar o primeiro sistema de geração procedural de conteúdo. Isso significava que,  no jogo River Raid, uma fase nunca era igual à outra. Oponentes, itens e objetos do cenário apareciam de forma randômica, em uma prática que é utilizada até hoje. Ela também trabalhou em títulos como 3D Tic Tac Toe, Super Breakout e Happy Trails. Esse foi o seu último game com a Activision.  Carol se aposentou em 1990 e mora na Califórnia, nos Estados Unidos, onde realiza trabalho voluntário.

Frances Allen

Allen criou alguns dos primeiros sistemas de segurança da NSA, a agência de segurança "mais secreta" dos EUA. Trabalhou 45 anos na IBM e ajudou na transposição de computadores "gigantes" para os domésticos. Frances fez história por ter sido simplesmente a primeira mulher que ganhou o famoso Turing Award por suas contribuições.   As mulheres possuem o dom de fazer a diferença, criar, acrescentar e enaltecer ainda mais o trabalho e cada detalhe do projeto. As mulheres  têm o papel fundamental de fazer com que tudo funcione de maneira mais simples, clara e concisa. A presença de todas elas, não somente no mercado de tecnologia, mas em todos os outros ramos de atividade, fez e faz a diferença no dia a dia das pessoas. Através de muita luta e conquistas diárias, as mulheres trouxeram o que há de melhor na sociedade atual. Portanto, todas as pessoas só têm a agradecer  pela presença totalmente vital de cada uma delas em todas as operações,  de todo o mundo. Feliz Dia Internacional da Mulher!